Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011
Encenador


imagens da AFP (colhida aqui) e da televisão líbia, via BBC

Há qualquer coisa de verdadeiramente excepcional nos enquadramentos em que Kadhafi fez as suas últimas declarações.
Quer as da porta da camioneta1, de chapéu de chuva aberto, quer as do palácio bombardeado em que aparecia no centro alto.
Quero crer que quer na primeira circunstância por mero acaso, quer na segunda, mais por simbolismo que por encenação, com uma grande dose de improviso cenográfico, tudo resultou de forma a transmitir, pelo menos a mim, uma expressão plástica de fino recorte.

Numa altura em que a imolação de um pobre desonrado parece ter acendido um rastilho ligado a variados barris de pólvora – há quem os diga de petróleo – custa-me mais do que nunca ouvir os que têm explicações para a História e os que sabem exactamente o que vai acontecer a seguir.

Quantos mortos fez uma certa bela disparada em Sarajevo, vai para cem anos?


1 alertado por Luís Bonifácio, verifiquei que era um rotundo disparate chamar camioneta a um carrinho de golfe. A chave encontrei-a aqui.



por MCV às 02:54
endereço

3 comentários:
De Luís Bonifácio a 28 de Fevereiro de 2011 às 22:23
Consegue identificar o carro em que o Kadhaffi está?


De MCV a 28 de Fevereiro de 2011 às 22:49
Não. E foi coisa que me despertou também séria curiosidade.
Escrevi "camioneta" com muitas dúvidas.
Tem uma ideia do que se trata?
Cumprimentos


De MCV a 28 de Fevereiro de 2011 às 23:05
Camioneta é asneira grossa, 'tá visto.
Parece que a resposta está encontrada.
Cumprimentos


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

E.N. 125-4, 20...

Vila Nova, 201...

Cascais, 2017

Portugal, toponímia, 2...

Portugal, 2007

Ramal de Cáceres, 2011...

...

E.E.N.N. 263/389, 2007...

Belver, 2014

Lisboa, 2008

. Arquivos
. Links