Sábado, 18 de Junho de 2005
Já não sei
Se há alturas particularmente férteis em disparates, imbecilidades.
Estes últimos dias têm-no sido, sem que se possa dizer que é já uma antecipação daquilo a que alguns chamam silly season, dada a importância de alguns assuntos.
Também nunca saberemos se os disparates que se ouvem reflectem ou não o pensamento dos que os proferem.
Temo que sim.
Analisando sempre e só os sintomas, a cada dia que passa se aviva a ideia de um suicidarismo.
Longínquo, cavado, enraizado. Mas que dá à costa como as baleias, vez por outra, tornando-se visível.
A cegueira que decorre da insídia, essa que nos tolda os sentidos.


por MCV às 20:17
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Mourão, 2017

Albufeira de A...

Restos de colecção (82...

Fátima e o resto

Portugal, 2009

Rio Mira, 1988...

Alvor, 1989

São Salvador do Mundo,...

Janas, 2006

Portugal, 2008

. Arquivos
. Links