Quarta-feira, 15 de Junho de 2005
Sítios
Há sítios que ainda nos surpreendem.
Depois do primeiro milhão de quilómetros estrada fora ainda é possível pousar em recantos inverosímeis.
Sítios onde se supõe ninguém passa, ninguém vai. Dado o silêncio que tanto a noite como o dia comportam.
Estradas de areia onde só os incautos ou os que não fizeram outra coisa durante anos metem não o jipe mas a carripana de todos os dias.
O mar ali.
Uma casa escondida num vale entre dunas. Um escasso pinheiro rente.
Pouso fortuito de uma noite.
Uma vaga ideia de sardinhas assadas e garrafas de tinto. Dormir como os justos.
E nunca mais lá passar perto.



por MCV às 12:03
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2012

Lisboa, 2017

Sintra, 2016

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

. Arquivos
. Links