Sexta-feira, 6 de Maio de 2005
Ataque de ciúmes
Já faz uns aninhos. Vai para nove.
A minha namorada socialista abria sempre muito os olhos e enchia a boca quando pronunciava o nome dele.
A coisa aborrecia-me. Particularmente em certas alturas. Se a rádio ou a televisão faziam a menor menção ao dito cujo, era certo o formoso pescocinho à banda.
Calava-me. Não dizia nada. Nem que sim nem que não. Nem espero que ganhe nem que perca. Era e é daquele tipo de coisas sobre o qual acho que de nada nos serve termos um lado.
Preferia o lado dela, claro, conquanto o senhor do sorriso fácil não desse à costa a meio da noite.
Comecei então a torcer às escondidas por William Hague. Apanhei a fase em que ele bradava "It's common sense!". Mas nada. Veio depois Iain Duncan Smith e o homem do sorriso fácil lá se aguentava. Hoje, deu mais um banho. Dizem por aí que um destes dias vai ceder o lugar a um dos Monty Pithon (não fui só eu que ouvi).
Aqui há tempos, o Dante afirmava que a esposa do senhor rings his bell. Senti-me um bocadinho vingado.


por MCV às 04:43
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2012

Lisboa, 2017

Sintra, 2016

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

. Arquivos
. Links