Sábado, 9 de Abril de 2005
A chuva
É-me difícil dizer se já vi a terra tão seca como está agora, em Abril. Tenho sempre muitas dúvidas quando ouço as certezas alheias.
O que sei é que já vi secas, várias secas e também já vi anos de chuva mais ou menos abundante.
No Alentejo, as barragens que existem há décadas contam pelos dedos de mãos humanas os anos em que atingiram o nível de pleno armazenamento. Já as vi mais baixas. Não nos esqueçamos que a despeito de pouco ter chovido este inverno, o final do verão passado - o mês de Agosto - foi particularmente chuvoso, não provocando a normal evaporação da época.
Vejo o meu montado cada vez com mais baixas, isso é um facto. Azinheiras mais, sobreiros um pouco menos, lá vão definhando. Não é coisa nova, infelizmente. Há uns trinta anos ou mais já ouvia o meu pai dar conta disso.
Aqui e ali, um viveiro de árvores novas vai dando alguma esperança. Mas a regeneração não tem compensado as perdas.
Veremos o que sucede este ano.


por MCV às 22:13
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2012

Lisboa, 2017

Sintra, 2016

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

. Arquivos
. Links