Quinta-feira, 10 de Março de 2005
As reservas estratégicas
Um destes dias foi daqueles em que quase se tornou necessário utilizar as reservas monetárias.
A ATM aqui ao pé de casa enviava os clientes para trás do sol-posto. Não sei se com propriedade, por haver qualquer tipo de restrição na zona, ou se por mero erro.
Foi então que me veio à cabeça a questão das reservas.
De todo o tipo de reservas.
Há quem tenha a sua reserva de comida, de água, de gás, de pilhas, etc. E quem leve isso a sério.
Há quem as tenha mas não leve a coisa a sério. Tem água já velha, comida em lata fora de prazo, pilhas sem carga, etc.
E há quem nunca tenha pensado no assunto.
Convivi em tempos com alguém que fazia anualmente a sua festa de substituição de reservas.
Não era festejo que atraísse muita gente.
Lá se consumiam os atuns enlatados das mais escassamente diversas formas.
Se passava o dente pela sardinha em tomate, pelo feijão pré-cozinhado, pela panóplia de iguarias conservadas em lata.
Mas o dinheirinho debaixo do colchão às vezes faz falta. Nesse dia quase fez.
Um dia ainda contarei como achámos certa vez uma pipa de massa debaixo de um colchão.
Num quarto de hotel. E o que fizemos com ela.


por MCV às 04:48
endereço

4 comentários:
De Anónimo a 10 de Março de 2005 às 19:02
Ok. A narrativa sairá. A massa é que é pior... :)
Beijo
Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 10 de Março de 2005 às 18:42
eh eh eh... pois, essa fazia bem jeito. Fico-me pela narrativa do que lhe aconteceu. riacho
(http://alfa-e-omega.blogspot.com)
(mailto:riacho@gmail.com)


De Anónimo a 10 de Março de 2005 às 06:36
Da massa? :)
Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 10 de Março de 2005 às 06:32
Fico à espera. :-)riacho
(http://alfa-e-omega.blogspot.com)
(mailto:riacho@gmail.com)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2012

Lisboa, 2017

Sintra, 2016

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

. Arquivos
. Links