Terça-feira, 8 de Março de 2005
As coisas que eu sei
Que todos nós sabemos, sem saber que sabemos.
E que quando ficamos frente a frente com um écran de televisão onde passa um concurso de perguntas nos saltam de debaixo da língua.
Não me detive nunca a ler o que foi já escrito sobre a atenção, a memória, a selecção dos dados na mente. Ninguém sabe ao certo como esta funciona. Dão-se palpites como em tudo na vida.
Houve uma época da minha vida em que, surpreendentemente, tinha respostas para quase todas as inquietações de um companheiro de noitadas, fossem elas de trabalhos de grupo ou de mera diversão.
Sabes como é que ficou o jogo do Barreirense? 77-87.
Quando é que é o concerto dos Supertramp? Na semana que vem.
A quantos segundos está o Markku Alen? 13.
O pior é que eu tinha a perfeita noção de que, por um acaso qualquer, acabara de ouvir na rádio a informação solicitada.
Com as horas de rádio que então ouvia era até provável que soubesse os resultados dos regionais de futebol. Às vezes sabia. Sabia mesmo os do hóquei em campo e como se tinha portado o Ramaldense nesse fim-de-semana.
Havia também um que sabia quantos parafusos tinha a Torre Eiffel. Julgava que sabia.


por MCV às 22:51
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 9 de Março de 2005 às 00:17
Claro. Não faltam os que sabem coisas que mais ninguém sabe... Eles lá sabem :) Um abraço
Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 9 de Março de 2005 às 00:03
Podemos sempre fazer de conta que sabemos :-)mago
(http://enigma.weblog.com.pt/)
(mailto:torre_dum_mago@aeiou.pt)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Espanha, 2010

E.N. 125-4, 20...

Vila Nova, 201...

Cascais, 2017

Portugal, toponímia, 2...

Portugal, 2007

Ramal de Cáceres, 2011...

...

E.E.N.N. 263/389, 2007...

Belver, 2014

. Arquivos
. Links