Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2005
O partido que não existe
O 25 de Abril apanhou-me com 15 anos. O clima desses dias somou-se à disponibilidade da juventude.
Mas nunca me enquadrei em nenhum rebanho. A primeira e a única vez em que o meu nome constou de uma lista foi para umas eleições para uma associação de estudantes e foi a rogo, quando me apanharam de baixa.
De qualquer forma, nunca existiu o partido que enquadrava essa lista. Que pagou os autocolantes, que fez as cópias. Nunca existiu como nunca existiram os partidos de que muitos outros se reclamaram. Basta ler o que se diz hoje do PSD, o que do PPD disseram os que dele se afastaram em cisões antigas, o que disseram do PS os que dele saíram e depois voltaram, e mais recentemente, o que disseram e dizem do PCP os que de lá saíram ou foram empurrados. E do CDS, os que foram saindo a pouco e pouco. Nunca existiu o partido dessas pessoas. O meu também não.
Mas coloquei a cruz no mesmo sítio. De há vinte e tal anos. Burro velho...
K será constante?



imagem em http://www.stape.pt/img_geral/bvoto75ac.jpg


por MCV às 09:32
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 09:31
Ah, mas existe. Tanto existe que nele votei. Quanto à FSP, já faz parte da história, tal como outros constantes deste boletim.
Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 25 de Fevereiro de 2005 às 20:16
Constante pela sua não existência? (FSP?... isso não existe, existe?) :-) riacho
(http://alfa-e-omega.blogspot.com)
(mailto:riacho@gmail.com)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

. Arquivos
. Links