Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2005
K não é constante
E não é. Nós é que simplificamos. Alguns com mais convicção do que outros.
Veja-se o caso particular de c, que tanta gente defende com unhas e dentes que seja e tenha sido constante.
Mas não há constantes.
Vem isto a propósito de coisas bem mais comezinhas. E caras a todos os que se dedicam a linhas de código ou a meras folhas de cálculo.
Quantas vezes não incluímos já uma constante aqui ou ali que depois se verifica desactualizada?
Desde o ridículo 0,17 para o I.V.A. até ao 19 para as centenas de anos, passando pelo 13 para os jogos do totobola.
De algumas delas tínhamos a certeza que perderiam a validade e até sabíamos quando.
Com outras, foi o deixa andar, que depois se corrige, se ainda fizer falta. De outras ainda, não nos passava pela cabeça que se alterassem.
No entanto, bastava que em vez da constante se tivesse colocado uma variável para a coisa ficar logo mais definitiva.
A previsão é uma arte, mais do que uma ciência. Embora esta afirmação seja fortemente controversa, continuo a achar que ciência é captura de dados e estabelecimento de relações, de teorias. A previsão é a técnica, que encerra um nível considerável e artístico de incerteza, que se baseia nos dados que a ciência lhe fornece e na utilidade que lhe atribuímos.
Tanta conversa para dizer que onde coloquei uma constante devia ter posto logo uma variável.


por MCV às 09:28
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 09:29
Pois, há milhentas maneiras de gastar dinheiro, como é sabido. No meu caso, o jogo não é uma delas, embora há muitos anos tenha o bicho dos algoritmos para os jogos da Santa Casa. Digamos que é um passatempo para me moer a cabeça, sabendo que a inutilidade, essa sim, é uma constante.
Um beijo
Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 25 de Fevereiro de 2005 às 20:20
Lembro-me do meu pai jogar ao totobola com umas certas constantes (na altura não percebia muito isso). Só sei que gastou fortunas em apostar nessas constantes e, que eu saiba, nunca lhes tomou o sabor que almejava. (continuo hoje em dia, sem perceber muito aquelas jogadas) Um beijo.riacho
(http://alfa-e-omega.blogspot.com)
(mailto:riacho@gmail.com)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Vila Nova, 201...

Cascais, 2017

Portugal, toponímia, 2...

Portugal, 2007

Ramal de Cáceres, 2011...

...

E.E.N.N. 263/389, 2007...

Belver, 2014

Lisboa, 2008

Aveiro, 2013

. Arquivos
. Links