Quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2005
Telefone 18 (II)
Há coincidências.
Ao escrever o post anterior, ocorreu-me uma constatação feita com o tempo. Que hoje, com a proliferação dos telefones móveis, com algum abandono da rede fixa, com a compartimentação das listas telefónicas se perdeu uma boa parte da probabilidade de encontrar alguém através delas.
Ora na caixa do correio lá estava a cartinha da PT sobre os dados pessoais e sua divulgação.
Não faço ideia se há muita gente a pedir o anonimato do seu telefone fixo. Alguns há. Sempre houve. Mas tenho a impressão de que pouca gente adere às listas de telefones móveis.
A net permite a quem a usa, e não são todos, encontrar alguém na lista.
Mas se as pessoas usam telemóvel e não o registam, é mais um contributo para este alheamento dos dias que correm.
De quantos amigos perdeu o contacto?


por MCV às 18:57
endereço

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

A transitar, em 2016

Memória telúrica

Portugal, 2013...

Vila Nova de Milfontes...

E.N. 268, 1988

Lisboa, 2007

Tudo a zeros

E.N. 3-13, 2013

Sintra, 2012

E.N. 10, 2007

. Arquivos
. Links