Sábado, 4 de Março de 2006
A ponte de Entre-os-Rios
Caiu faz hoje cinco anos.
Foi o maior acidente rodoviário de sempre em Portugal, no que respeita a perdas humanas.
Dos disparates que se disseram depois, não há conta possível.
Compreende-se a dor dos que perderam familiares e amigos e compreende-se também que, por isso mesmo, insistam em procurar culpados.
Já não se compreende tão bem a enxurrada de imbecilidades que foram ditas e repetidas com este ou aquele interesse mais bizarro.
Se há que encontrar culpados, convém entender as causas.
E as causas directas, ainda que esta coisa de causa e efeito seja um mistério insondável que o Homem teima em perceber, no dizer dos entendidos foram as sucessivas e extraordinárias cheias do Douro nos dias precedentes e a forma como descalçaram o pilar nº4.
Pode agora tentar perceber-se como se chegou a esse ponto.
Parece-me que uma das respostas está em todos nós. Na forma descuidada como encaramos toda e qualquer manutenção do construído.
Na forma bizarra como nos organizamos e nos desorganizamos.
No caso das pontes, é público que não existia sequer um serviço responsável a funcionar de forma a poder responder pela conservação e segurança. Como existira no passado.
Penalizar hoje alguns engenheiros pela queda da ponte é o mesmo que culpar o único polícia a quem se retirou a arma de fogo por não ter impedido um assalto mortífero.

Hintze Ribeiro, ministro e presidente do Ministério nos últimos tempos da Monarquia, teve o seu nome, entre outros locais, numa ponte. Essa ponte caiu. No local onde existia, está hoje outra. Melhor fora que lhe chamassem a essa "Ponte das Amendoeiras em Flor".
Que era de vê-las que vinha grande parte das vítimas. Da outra ponte.


Foto JAE


por MCV às 20:29
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 02:06
Quem respeita nunca abusa, meu caro amigo. Grande abraço.
Manuel
</a>
(mailto:h.gasolim.ultramarino@gmail.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 01:51
Aprecio a sua objectividade e sentimento; que não têm nada de incoerente, diga-se. Cumpts. (Tomei a liberdade de o citar no meu blogo. Espero que não estar a abusar... )Bic Laranja
(http://biclaranja.blogs.sapo.pt)
(mailto:biclaranja@sapo.pt)


Comentar post

ANO XII


EDITORIAL
. Posts recentes

C.M.L.

Os simples e a água

Burramericano

Portugal, 2007

Das finanças, com letr...

Um dia nos fanqueiros<...

Lisboa, 2007

Jornalismo ou... algo ...

Sines, 2011

Cabo Carvoeiro, 2014

. Arquivos
. Links