Domingo, 6 de Fevereiro de 2005
Chuva
Em homenagem à chuva que cai há uns dias lá para as minhas bandas, prepara-se por aqui um post monográfico. Sobre a água macia e sobre as cargas d'água. Sobre os pontapés que se davam nos torrões à entrada do verão e veja lá isto, só pó, só pó, nem uma humidadezinha.
Sobre os atasqueiros de invernos caprichosos. Sobre os barrancos passados a vau e sobre as carradas de pó dos verões mais malinos. Sobre os dias em que o alcatrão derretia mas em que, à noite, a samarra sabia bem. Sobre tudo isso, porque a memória destas coisas é importante.
Porque de facto o verão de 2001 foi, na altura, o mais seco do século. E do milénio, até.


por MCV às 23:11
endereço

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Olho de Boi, 2...

Lisboa, 2012

Mourão, 2013

A cadela que pariu qua...

Lisboa, 2010

Sines, 2011

Estação C.F. de Queluz...

Lisboa, 2008

Sem (saber) le...

Porto Brandão, 2009

. Arquivos
. Links