Sábado, 29 de Janeiro de 2005
Sábado
As janelas, do outro lado da auto-estrada, todas elas mostram reflexos de luz vermelha.
Como num incêndio de madrugada de verão.
No mesmo local onde vi um solitário auto-tanque cortando a manhã, um desses dias de inferno, rumo ao centro do país. Silencioso, em emissões de azul, dessa vez.
No rádio, o mesmo programa de há vinte anos. As mesmas vozes, umas só minhas conhecidas, outras perdidas nas serranias, falam do lugar, dos lugares que há no sul.
Nem tudo é tão diferente.


por MCV às 07:48
endereço

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

H Gasolim Ultramarino<...

Isto de carnav...

Nem Sines nem Loulé

Olho de Boi, 2...

Lisboa, 2012

Mourão, 2013

A cadela que pariu qua...

Lisboa, 2010

Sines, 2011

Estação C.F. de Queluz...

. Arquivos
. Links