Quinta-feira, 30 de Dezembro de 2004
Do ano (infantil)
Uma das coisas que me atormenta é o percurso que certas ideias infantis fazem em determinados meios onde seria esperada a sua reflexão (no sentido óptico).
Este ano, há algumas - sempre as mesmas é certo - que merecem destaque.
A sempiterna obsessão com a água, com a sua existência alhures, de forma a esperar-se que tenha havido, haja ou venha a haver vida. Como se não fosse possível imaginarmos formas de vida independentes da água.
E mais uma que se repete - a questão da existência ou não de Deus, face a catástrofes como esta dos últimos dias. Nem merece comentário.
E outra igualmente recorrente, embora mais nova, que se prende com a questão da existência ou não de uma alma, face à futura mais do que provável clonagem humana.


por MCV às 18:46
endereço

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Mourão, 2013

Perguntas que não pode...

Perguntas que não podem f...

J.R.

E.N. 236-1, km 0

Picos de irracionalida...

Picos de irracionalidade

E.N. 236-1

Beja, 2011

Azenhas do Mar, 2008

. Arquivos
. Links