Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2004
A moeda de 3$00


Há uma parte da humanidade que se acha destinada a ensinar os outros.
Será uma fatalidade que assim seja, uma vez que suspeito que todas as partes da humanidade são necessárias.
No entanto, às vezes, esta parte dos pisantes da ecúmena apresenta-se sob formas pouco suportáveis.
Há os que debitam nomes e obras como quem abre baús e mostra tesouros.
Há os que mostram os contornos de intrincadas reflexões sem permitirem que se tome o fio à meada.
E há os que se insinuam com aparentes disparates. Isco de pesca. Mal o incauto levanta o dedo para assinalar o suposto erro, desaba-lhe em cima uma parafernália de argumentos e de provas esmagadora.
Chamo a estes os da moeda de 3$00.
Não faço ideia de qual é a percentagem de pessoas que teve na mão uma tal moeda.
Os que viveram onde elas circulavam, devem ter boa lembrança dela.
Para muitos dos que nunca as viram ao vivo, como eu, e que não estão familiarizados com os mistérios da nossa emissão monetária, pode parecer assim, à primeira, um rotundo disparate que tenha existido tal coisa.
É dessa vertigem de correcção, quase com a avidez com que o vigarista estende o tapete, com mansa fala, àqueles a que acena com o lucro fácil, que vive o pessoal da moeda de 3$00.
Enredam o pobre convicto com insinuações e mal ele entra na contradita, sai ferrado.
Todos os dias os vemos em acção.
Não sei se já ensinaram alguma coisa a alguém.


por MCV às 08:58
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2011

Cachopo, 1988

Diz que Dom Fuas salto...

Lisboa, 2009

Rio Tâmega, 2017

E.N. 232, 2000...

Mora, 2017

Portugal, 2017

Portugal, 2017

Barcarena, 201...

. Arquivos
. Links