Domingo, 28 de Novembro de 2004
A estatística dos marcelinhos
Nos últimos dias já foram duas as vezes que falei na minha velha casa.
É provável que o assunto escorra por estas linhas mais algum tempo.
Com toda a probabilidade, o ano de 2005 será o ano do adeus definitivo.
Em pouco mais de três anos, terei esvaziado as minhas memórias por duas vezes. A verdade é que nunca contei ter que me despedir de nenhuma casa. E acabo por fazê-lo das duas onde cresci em curto intervalo.
Eu ligo às coisas, aos espaços, às memórias que acalentam. Fechando a porta pela última vez, despeço-me de mim também. Não é agradável. Os que já passaram por isso, sabem do que falo.
Mas como em todas as coisas, também há efémeras alegrias no meio do desalento. Encontram-se objectos que julgávamos perdidos para sempre.
Ontem encontrei uma caixa de moedas. Daquelas de dez centavos em alumínio ditas marcelinhos.
Como não há uma inutilidade sem duas, nem duas sem três, aqui fica a segunda em poucos dias. A terceira não tardará.
É que achei curiosa a distribuição por anos das moedas que lá encontrei.
Como podem ver, as quantidades de moedas de 1971, 1972, 1973 e 1979 mantêm-se numa proporcionalidade aproximada à cunhagem respectiva, enquanto que as quantidades referentes aos anos de 1974 a 1978 seguem proporções diversas e menores.
Claro que de 1969 e 1970 não tenho nenhuma.



A quantidade de moedas cunhadas obtive-a em http://moedas.org/


por MCV às 13:53
endereço

3 comentários:
De Anónimo a 7 de Dezembro de 2004 às 22:58
Inutilidades - eu avisei. :)AbraçosManuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 1 de Dezembro de 2004 às 01:53
Só tu, pra fazeres um gráfico desses. Fantástico.Santos Passos
(http://santospassos.blogspot.com)
(mailto:santos.passos@uol.com.br)


De Anónimo a 29 de Novembro de 2004 às 02:50
Aqui, marcelinho é só apelido de Marcelo, e reza a lenda que todos sob essa alcunha são criaturas terrivelmente aprontadeiras. Credo.
Eu não consigo perceber bem o que diz, já que somos de gerações muito diferentes, mas acho que essa nostalgia é minha velha conhecida, por motivos desconhecidos.
E vc, sempre arruma algo mirabolante, típica dos que não tem o que fazer mesmo... hohohoh :o)
Ei! Vc mandou essas estatísticas para a Grécia? Moedas e tal. Vê lá hein!Lili Carabina
(http://www.lili-carabina.blogger.com.br)
(mailto:carabinablog@yahoo.com.br)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Isto de carnav...

Nem Sines nem Loulé

Olho de Boi, 2...

Lisboa, 2012

Mourão, 2013

A cadela que pariu qua...

Lisboa, 2010

Sines, 2011

Estação C.F. de Queluz...

Lisboa, 2008

. Arquivos
. Links