Sábado, 20 de Novembro de 2004
Sonhos

imagem em http://simcity4.free.fr/Elt/lots01.php?page=2&icnx=

Três quartéis, uma prisão, dois cemitérios, um aeroporto, duas igrejas, mais de meia-dúzia de moínhos, algumas centenas de hectares de terras agrícolas, duas matas e muitas casas - era o que eu via das minhas janelas.
Hoje ainda diviso algumas destas coisas, muito mais casas, um hospital e aí um terço da terra agrícola. As matas, sim, permanecem lá.
Vejo é uma forma de dizer. A casa ainda a tenho. Mas passa mais de um ano que de lá não me assomo.
Um destes dias, deixarei mesmo de a ter. O cerco aperta-se. Daqui apenas vejo prédios e tenho uma vaga ideia de pastagens. Uma auto-estrada que apostei ia ser construída e cuja aposta ganhei de alguém incapaz de prever os problemas de estacionamento à porta de casa, passa ali ao fundo.
Mas hoje não. Hoje via a minha mãe clicar o rato e fazer desaparecer loteamentos inteiros.
Agora quero ver as ceifas. Clique.
Tire-me dali o hospital, mãe. Clique.
Aquela torre e a escola, clique.
Quero ver aquela rampa onde adormeci ao volante. Clique.
Um pouco mais de contraste, carregue nos verdes, clique.


por MCV às 22:08
endereço

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

A transitar, em 2016

Memória telúrica

Portugal, 2013...

Vila Nova de Milfontes...

E.N. 268, 1988

Lisboa, 2007

Tudo a zeros

E.N. 3-13, 2013

Sintra, 2012

E.N. 10, 2007

. Arquivos
. Links