Quarta-feira, 10 de Novembro de 2004
Fumar beatas

imagem dehttp://whyfiles.org/183smoking/3.html

Não sou dos que têm razão para se queixar da vida. Porventura, os que têm razão para isso não se queixam.
Nem sei muito bem para que é que fui buscar esta conversa a propósito de fumar beatas.
Mas talvez fosse para me desculpar de tocar num tema que pode ser sempre interpretado de outra forma. Não é de miséria que se trata. Nem de queixumes.
É apenas uma constatação de que certas coisas na vida tendem a esquecer-se.
E esta noite lembrei-me disso por me ter faltado o tabaco.
Nos tempos que correm, aqui em Portugal, não há grande razão para faltar o tabaco desde que se tenha dinheiro para o comprar.
A qualquer hora da noite há sítios abertos onde se pode comprar um macito de cigarros.
Quase toda a gente tem carro para se deslocar até lá, se fôr longe para ir a pé.
No meu caso, tenho aqui a 500 m uma bomba de gasolina. Mas esta noite resisti. Não fui. Foi nessa altura que me lembrei das beatas.
Das vezes em que nas noitadas se reciclavam os cinzeiros.
Vício de um cabrão, este.


por MCV às 07:21
endereço

4 comentários:
De Anónimo a 12 de Novembro de 2004 às 17:37
As recidivas são sempre piores do que as primeiras. Cuidado. E podes chamar-me Tomás, Frei Tomás...
Um abraçoManuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 12 de Novembro de 2004 às 17:06
Pois é... como vos compreendo. não fumo há 10 anos, mas às vezes (principalmente nos últimos tempos) dá-me uma vontade de pegar num cigarro...
Abraço G.GatodeLisboa
</a>
(mailto:gatodelx@hotmail.com)


De Anónimo a 12 de Novembro de 2004 às 16:24
Pois digo-lhe que este parvo que lhe responde esteve sem fumar já por duas vezes. Da primeira, por dois anos. Da segunda, por cinco.
E das duas, retomou deliberadamente.
Um abraçoManuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 12 de Novembro de 2004 às 13:25
Fumei durante mais de trinta anos. Um belo dia quase me dei mal: descobri que estava à beira de um câncer na língua. Parei de fumar, claro. E escapei da doença, por um triz. Já lá se vão cinco anos. Não voltarei a fumar. Não sou suicida. Mas, se na hora da morte houver chance para um último pedido, já sabes. Peço um cigarrinho.Santos Passos
(http://santospassos.blogspot.com)
(mailto:santos.passos@uol.com.br)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

E.N. 125-4, 20...

Vila Nova, 201...

Cascais, 2017

Portugal, toponímia, 2...

Portugal, 2007

Ramal de Cáceres, 2011...

...

E.E.N.N. 263/389, 2007...

Belver, 2014

Lisboa, 2008

. Arquivos
. Links