Sexta-feira, 5 de Novembro de 2004
Breaking News
Um dos aspectos mais ridículos do jornalismo actual é a anacronia que contrasta com o frenesim das últimas.
Quando eu comecei a ler jornais, não era espanto que uma notícia com três ou quatro dias fosse a actualidade.
Mas hoje, quando há a possibilidade de se já estar no local antes da notícia, o que de resto sucede mais do que seria de prever, torna-se difícil aceitar que se destaque uma notícia (ou uma previsão de notícia) que toda a gente já sabe que não aconteceu.

Quase todos os dias há notícias que são apresentadas com uns contornos dos quais se sabe há largo tempo não serem verdadeiros.
Vemos imagens recolhidas há horas e horas, como se fossem um directo.
Outras vezes assitimos à leitura de despachos das agências, verificando que quem os lê não faz a menor ideia do que está a ler, nem de há quanto tempo o texto foi produzido.
E fica-se a pensar quanto tempo antes se fecha um noticiário. É que muitas das vezes é do jornal de há quarenta anos que me lembro.


por MCV às 12:12
endereço

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Lisboa, 2012

Mourão, 2013

A cadela que pariu qua...

Lisboa, 2010

Sines, 2011

Estação C.F. de Queluz...

Lisboa, 2008

Sem (saber) le...

Porto Brandão, 2009

Amora, 2012

. Arquivos
. Links