Sábado, 30 de Outubro de 2004
Aqui na minha boca, ao meio-dia em ponto
Numa das células dos lábios, numa molécula de cloreto de potássio, num átomo do dito potássio, num dos seus protões, num dos seus quarks, numa galáxia desse quark e aí, num planeta terrestre, nasceu e morreu uma mulher como nunca houve outra igual. Nasceu ela e toda a sua ascendência e descendência. Morreu ela e todos com ela. Ao meio-dia em ponto.
O estranho disto tudo é que era uma mulher.
Não era uma forma de vida indetectável pela nossa cegueira.
Outros disseram que o estranho era haver átomos de carbono dentro de um átomo de potássio.
Disse-lhes que era completamente ignorante nessas matérias.


imagem de http://perso.wanadoo.es/tomasmazon/Messier.html


por MCV às 01:04
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 31 de Outubro de 2004 às 18:01

Escreves e pensas muito bem. Um tema para ti: a insanidade da vacinação. Consulta:
http://naturopatia.blogs.sapo.ptnotarikon
</a>
(mailto:notarikon@sapo.pt)


De Anónimo a 31 de Outubro de 2004 às 16:08
Belíssimo zoom.Santos Passos
(http://santospassos.blogspot.com)
(mailto:santos.passos@uol.com.br)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Memória telúrica

Portugal, 2013...

Vila Nova de Milfontes...

E.N. 268, 1988

Lisboa, 2007

Tudo a zeros

E.N. 3-13, 2013

Sintra, 2012

E.N. 10, 2007

E.N. 250, viaduto da A...

. Arquivos
. Links