Quarta-feira, 27 de Outubro de 2004
Pontos de vista
Quando este episódio se passou, uns bons catorze anos atrás, apenas desencadeou um singular conjunto de apostas que quase comprometeu o ordeiro regresso a casa, no final do primeiro dia de obra, em certa povoação na qual o nosso guia tinha cumprido serviço militar.
As apostas, é bom de ver, tiveram o seu terreno fértil na desorientação do guia.
Hoje, ao olhar para esta situação, ocorre-me compará-la com muitas outras, que quase todos os dias vemos e ouvimos.






por MCV às 20:52
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 28 de Outubro de 2004 às 13:58
Coisas que nos lembram, sabe-se lá como, e de repente passam de anedotas a metáforas...Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 28 de Outubro de 2004 às 11:44
É uma comparação muito bem conseguida.MAD
(http://www.aliciante.weblog.com.pt)
(mailto:green_mad_eyes@hotmail.com)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Isto de carnav...

Nem Sines nem Loulé

Olho de Boi, 2...

Lisboa, 2012

Mourão, 2013

A cadela que pariu qua...

Lisboa, 2010

Sines, 2011

Estação C.F. de Queluz...

Lisboa, 2008

. Arquivos
. Links