Quarta-feira, 13 de Outubro de 2004
Banha da cobra
Desde um certo dia, à tardinha, que o homem inventa mitos.
Maravilhas.
Um dia saberemos ou não qual o efeito do convencimento, da sugestão, nos fenómenos biológicos.
Vendedores de sonhos sempre os houve, desde essa tarde.
A ciência, de certa forma, nasceu dessa necessidade de criação de maravilhas, de sonhos.
A ciência mais do que a técnica, que essa sempre parece mais ligada à resolução dos problemas comezinhos.
A ciência acabou por cair em si e largou os mitos, se é que os largou.
Mas ambos permanecem complementares, hoje em campos diametralmente opostos.
Pelo meio, há uma nuvem de poeira.
Onde têm lugar as mistificações.
Os novos vendedores de banha da cobra têm o verbo fácil e claro, tal com os seus antepassados.
Dividem-se em duas sub-espécies.
Os que acreditam no que dizem e os que sabem muito bem como enganar os outros.
Nem sempre é fácil destrinçar uns de outros.
Vem-me isto sempre à cabeça quando ouço certos teóricos da economia, certos gurus do marketing, certos críticos de arte, certos analistas da política, o que fôr.
É uma sopa de palavras e de entoações tão cheia de certezas, tão curiosa na forma como se tiram conclusões sem base alguma, tão interessante no método, tão capaz de admitir uma afirmação e o seu contrário, sem o mínimo estrago à estrutura das ideias, que me maravilha.
Fico ali parado a ouvi-los.
A Feira de Castro é já no próximo domingo.
Mesmo que lá vá, tenho quase a certeza de que não encontro ninguém que se equipare a estes pregadores.
Nem o homem do lenço no microfone que oferece mais umas almofadas a quem comprar o belíssimo faqueiro. Por duas notas de 20? Não. Uma nota de 10 e outra de 5.
Mas como diria alguém, este é muito mais genuíno.


por MCV às 18:32
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 15 de Outubro de 2004 às 14:31
Vale a pena. É uma das grandes e antigas feiras do Sul.
E ainda há caça, amigo Emílio?
Um abraço
Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 15 de Outubro de 2004 às 10:47
Por acaso vou a Castro mas é à caça. Mas talvez dê uma volta na feira, que não conheço.Emilio de Sousa
(http://oferta.blogspot.com)
(mailto:foradobaralho@yahoo.com)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2011

Cachopo, 1988

Diz que Dom Fuas salto...

Lisboa, 2009

Rio Tâmega, 2017

E.N. 232, 2000...

Mora, 2017

Portugal, 2017

Portugal, 2017

Barcarena, 201...

. Arquivos
. Links