Segunda-feira, 4 de Outubro de 2004
Sítios raros
Falhou a rua que conduzia à casa.
Quando finalmente a descortinámos, na noite invernosa, via-se o muro alto da quinta e a casa envolta em escuridão.
Lá dentro, estava tudo na mesma. Como vinte e cinco anos antes, talvez trinta.
Sobre um aparador, revistas Flama e Plateia.
O frigorífico, de linhas abauladas, estava estranhamente a funcionar.
Lá dentro, uma tijela de caldo verde. Apenas isso.
O vinho novo, na adega, todo ele intragável, datava da mesma época. Novo de trinta anos.
E digo novo, porque tal como na casa, parecia improvável que os anos tivessem passado ali também.
Quando saímos, no dia seguinte, tive receio de deixar ali algo que fosse actual. Uma beata de cigarro dos anos 90 esquecida em algum cinzeiro, uma beata que fosse, seria carga a mais para aquele tempo.


por MCV às 17:25
endereço

2 comentários:
De T a 12 de Dezembro de 2008 às 11:03
Vamos assaltar a casa e já!


De MCV a 12 de Dezembro de 2008 às 11:29
Isso era maldade! :)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

H Gasolim Ultramarino<...

Isto de carnav...

Nem Sines nem Loulé

Olho de Boi, 2...

Lisboa, 2012

Mourão, 2013

A cadela que pariu qua...

Lisboa, 2010

Sines, 2011

Estação C.F. de Queluz...

. Arquivos
. Links