Sexta-feira, 1 de Outubro de 2004
Olivença
Eu de facto não entendo por que é que, sabendo-se que os espanhóis pressionam para que se chegue a uma solução para Gibraltar, as autoridades portuguesas se limitam a apagar a fronteira da ocupação nos mapas oficiais e a desenvolverem contraditórias e insípidas reclamações sobre quem manda no Guadiana na zona da contenda.
Nem qual é o mistério por trás disto tudo.
Há um equívoco grande quando se diz que as nossas fronteiras datam do séc.XIII.


por MCV às 17:55
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 2 de Outubro de 2004 às 14:34
Não se trata de nos atirarmos para o poço porque os outros também o fazem.
Trata-se antes de resolver um assunto pendente, aproveitando a brecha na argumentação do outro lado.
E de perceber, de uma vez por todas, se fazem algum sentido as atitudes supostamente de Estado, avulsas e sem consequências, como as de pagar as pontes entre as duas margens do rio, passar supostamente por cima das autoridades espanholas para alagar as margens do Guadiana e outras só para marcar posição.
Sabemos todos que todos os governos têm encolhido os ombros.
Será assim um problema tão grande fazer essa reivindicação? Teremos assim tanto a perder?
Não é o que soa, no caso de Gibraltar.
É claro que há assuntos muito mais importantes e decisivos para discutir e negociar.
Mas não me parece que isso também seja razão para pôr uma pedra sobre o caso.Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 2 de Outubro de 2004 às 09:14
E por os espanhóis serem grunhos nós também temos que ser?timshel
(http://timoteoshel.blogspot.com)
(mailto:timoteoshel@yahoo.fr)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

. Arquivos
. Links