Quinta-feira, 30 de Setembro de 2004
O mundo
Nesse tempo, o mundo chegava na camioneta das 9.
A televisão só começava lá pela tardinha.
As emissões de rádio mal se captavam ali, entre cêrros.
O mundo vinha assim dobrado e etiquetado, com o cheiro a tinta já misturado com odores de gasóleo mal queimado e outros, ocasionais companheiros de porão.
Desdobrava-se sobre o balcão e entre as letras distinguiam-se os tracinhos do linotipo.


por MCV às 13:47
endereço

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Lisboa, 2012

Mourão, 2013

A cadela que pariu qua...

Lisboa, 2010

Sines, 2011

Estação C.F. de Queluz...

Lisboa, 2008

Sem (saber) le...

Porto Brandão, 2009

Amora, 2012

. Arquivos
. Links