Segunda-feira, 20 de Setembro de 2004
Esquecimentos
Um velho amigo e colega surpreendia-me às vezes, quando ao volante do carro se virava para mim, co-piloto, e me perguntava: "Para onde é que vamos?"
Não era a pergunta do taxista. Não era por onde. O sigo pela Baixa ou vou por fora. Era mesmo uma espécie de acordar estremunhado de algum sono ou sonho que lhe permitia manter os níveis de atenção para conduzir. Mas não era condução, era andar de carro. Ele não conduzia nada nem ninguém nessas alturas, seguia apenas a estrada.
Já a mim me sucede amiúde nos trajectos, a cavalo na lata ou a pé, observar aqui ou ali algo de insólito que julgo ser comentável quando chegar ao destino. O mais certo é, lá chegado, não me lembrar de tal.
Sair de casa com várias incumbências e esquecer uma ou duas.
Talvez seja aquela fase da vida em que se torna mais fácil recordar um episódio de há trinta anos do que o jantar de ontem.
Assusta-me.


por MCV às 16:38
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 22 de Setembro de 2004 às 13:54
Mais um para a lista... :-(Carlos
(http://xxx.blogs.sapo.pt)
(mailto:ribatejo69@hotmail.com)


De Anónimo a 20 de Setembro de 2004 às 22:32
Assusta-nos a todos. Mesmo assim, carpe diem....
</a>
(mailto:....@....)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

. Arquivos
. Links