Sexta-feira, 13 de Agosto de 2004
Novidades
O homem naquele dia não se calava ao telefone.
Tratava-se de combinar uma ida a petisco e ele só lhe dava na mesma tecla. Que eu me preparasse, que as surpresas iam ser muitas.
Ainda lhe disse que nunca fui muito de ficar de boca aberta e que quando isso lá acontecia, pedia de imediato que me colocassem uma maçã entre os dentes, ficando não como o bácoro dentro do cesto, mas como o dito já pronto a servir.
Ele que não, que as coisas iam ser muito piores do que eu podia imaginar.
Ainda lhe disse que não seriam piores do que eu sempre as imaginei e que, por maior que fosse a montanha, não seriam mais do que ratos o que restaria dela quando a feira se desmanchasse.
Ainda argumentou comigo.
Suponho que a maior parte dos portugueses recebeu telefonemas do homem.


por MCV às 14:43
endereço

3 comentários:
De Anónimo a 14 de Agosto de 2004 às 23:50
Compadre, você tem porras no preto e branco!!!Isidoro de Machede
</a>
(mailto:alentejanando@netvisao.pt)


De Anónimo a 13 de Agosto de 2004 às 15:53
Ah, ah, ah.
Não, não foi esse. Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 13 de Agosto de 2004 às 15:50
O Santana Lopes telefonou-te?yardbird
(http://novosvoos.blogspot.com)
(mailto:yardbird25@netcabo.pt)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2012

Lisboa, 2017

Sintra, 2016

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

. Arquivos
. Links