Terça-feira, 10 de Agosto de 2004
O pato de estabilidade
O Zé ainda não fora descoberto a comer um fardo de palha, escondido por uma manta.
As moças também ainda não tinham sido postas a um canto. O cantorio ainda não tinha por isso começado.
Resumindo, ainda se viam os pares.
Foi aí que começou a perturbação. O dono da casa irrompeu no celeiro e subiu aos fardos de palha do lado contrário ao do Zé.
Parou a música.
"Quem é que matou o meu pato-viúvo?"

Parecia mal abusar assim do anfitrião.
A guarda chegou pouco depois, atraída pelas luzes dos carros na charneca.
Enquanto cumprimentava o sargento, juro que ouvi uma voz do outro lado do monte:
"O quem? Eles em serviço não podem beber! Agora cá comer pato!"


por MCV às 21:43
endereço

1 comentário:
De Anónimo a 11 de Agosto de 2004 às 00:25
Patos? Meu bicho 'favorito' como vc bem o sabe. Bem feito, virou assado...

E isso me cheiram a memorias de verão. Estou certa?

BesitosLili
(http://www.lili-carabina.blogger.com.br)
(mailto:carabinaridesagain@hotmail.com)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Mais um para a conta

Estação C.F. de Lisboa...

Vila Nova de Milfontes...

Vila Viçosa, 1989

Portugal, 2015

Estação C.F. da Funche...

Azenhas do Mar, 2008

Estação C.F. da Cruz Q...

Águas Livres, 2006

Setúbal, 2006

. Arquivos
. Links