Domingo, 11 de Julho de 2004
Olhando
De onde vem esta desolação?
De onde vem o desânimo? De onde vem o ressentimento?
Será que vem da confusão entre realidade e utopia?
Será que vem daí? Da nossa constante insistência em tomar o mundo pelos nossos desejos improváveis?
As condições ideais fazem-me sempre lembrar um peixe que se carregava da praça embrulhado em papel de jornal.


por MCV às 19:51
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 12 de Julho de 2004 às 17:43
Ah, ah, ah! Juro que não estava a pensar nesse...
Bem visto, sim senhor! Um abraçoManuel
(http://gasolim.blogs.sapo.pt/)
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 12 de Julho de 2004 às 14:52
Um Cherne, está visto :)Yardbird
(http://novosvoos.blogspot.com)
(mailto:yardbird25@netcabo.pt)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

A transitar, em 2016

Memória telúrica

Portugal, 2013...

Vila Nova de Milfontes...

E.N. 268, 1988

Lisboa, 2007

Tudo a zeros

E.N. 3-13, 2013

Sintra, 2012

E.N. 10, 2007

. Arquivos
. Links