Sexta-feira, 25 de Junho de 2004
E agora, José?
Poucos posts deste blogue incidiram sobre a actualidade.
E muito menos incidiram sobre a política nacional.
Alguns que me lêem há mais tempo terão antevisto uma posição política aqui e ali. Mas nada de muito preciso.
A razão já a anunciei e enunciei aqui. Se és anónimo, não deves falar muito.
Mas, a ser algo mais do que sensacionalismo jornalístico o corrupio de notícias que nas últimas horas sai das rádios, se lê nos jornais, portugueses e estrangeiros, e surge nas televisões, temos um problema.
Goste-se ou não do que este governo tem feito, se o homem do leme sai agora e se transfere para Bruxelas, as notícias não são boas.
Lá está a tal diferença entre país e Europa, de que já aqui falei. Se um presidente de câmara faz um bom trabalho e ascende a primeiro-ministro, pouca gente se queixará. Mesmo os que perdem o autarca.
Se o primeiro-ministro fez um bom trabalho ou não, cada um terá a sua opinião.
Na minha, fez em muitas coisas e falhou em outras. Como sempre, como todos os outros. Uns mais, outros menos, outros ainda muito menos.
Se é da minha cor? Não, não é. Mas é talvez o mais próximo que consigo arranjar. Por isso, a minha opinião não é asséptica.
O que me parece é que, a acontecer o que se diz, o país vai entrar numa fase que não agradará a ninguém, da esquerda à direita.
A ver vamos.


por MCV às 18:01
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

E.N. 246-1, 2011

Apúlia, 2017

. Arquivos
. Links