Sábado, 19 de Junho de 2004
Enquanto se aprova a constituição
E a ser verdade o que circula na imprensa, o Reino Unido faz tábua rasa de decisões judiciais dos competentes órgãos portugueses, informando que a pena aplicada a um dos habituais integrantes do lixo que costumam exportar, não se coaduna não sei com quê.
Pelo que, e repito, a ser verdade o que se diz, continua a fazer todo o sentido condenar aqui e expatriar depois. Brincamos à justiça.
Bem sei que o Reino Unido não é signatário dos Acordos de Schengen. Mas também sei da facilidade com que um passaporte ou documento de identificação comunitário transpõe uma fronteira dessas que se dizem quase eliminadas. Fará assim algum sentido falar em penas de expulsão do território nacional? Não andamos todos equivocados?
Enquanto isso, aprova-se uma constituição e o Reino Unido continua a encolher os ombros à costumeira e criminosa escória que a gente sabe.
Por falar nisso, e mais uma vez a ser verdade o que nos conta a imprensa, qual será a pena em que incorre um indivíduo que rouba uma ambulância em serviço de urgência?
Espero que eles se queixem se a polícia lhes bateu. Pode ser que isso acabe por ter boa publicidade. Se não vai a bem, pode ser que vá à mal.
Eu sei que ando com azia. Desculpem-me, meus caros.


por MCV às 14:03
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

E.N. 246-1, 2011

Apúlia, 2017

. Arquivos
. Links