Quinta-feira, 20 de Maio de 2004
Pedido de desculpas


Já com mais de trinta anos de atraso, mas lá vai.
Minha senhora:
Apesar dos boatos que fizemos correr em devido tempo, mercê das nossas técnicas de telefonia baseadas na ampliação jornalística propriamente dita. Sim, era com jornais em forma de cone que amplificávamos os nossos comunicados marginais. Sim, marginais, porque o fazíamos quase sempre na estrada da praia. Mas digo, apesar disso nunca foi proibido fazer curoché na praia. Muito o menos o foi na esplanada do Habimar, embora saibamos todos que não era do agrado da gerência.
Foi assim em vão o seu receio, em boa hora transmitido a suas amigas e depois segredado aos nossos ouvidos cúmplices. Cúmplices e autores desse falso alarme.


por MCV às 12:47
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 20 de Maio de 2004 às 22:08
Amigo YardBird, não te sei dizer.
Na praia, talvez não. Mas a dizer curoché e quiçá sentadas ao pé do barba e cú, acho que sim.
Um abraço
Manuel
(http://gasolim.blogs.sapo.pt/)
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 20 de Maio de 2004 às 21:25
Achas que ainda há senhoras a fazer curochéYardbird
(http://novosvoos.blogspot.com)
(mailto:yardbird25@netcabo.pt)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

E.N. 246-1, 2011

. Arquivos
. Links