Segunda-feira, 17 de Maio de 2004
Death toll
É o que faz separarmo-nos das raízes.
Viver num exílio anónimo de lugares para estacionar e compras de supermercado.
Nada de escolher a sombra do prédio em frente ou comprar alfaces no lugar da curva.
Nada de enfrentar a fila de cumprimentos para tomar posse de um café.
Nada de casas de tias, bolos na mesa.
Nada de tascas com facas cortando nacos de presunto e falando de porcos.
Quando o telefone toca, há sempre uma lista de mortos. Massacres gota-a-gota que nos chegam de enxurrada.


por MCV às 14:09
endereço

1 comentário:
De Anónimo a 17 de Maio de 2004 às 17:19
Hmmmm tou sentindo um cheiro de melancolia no ar. Alguma notícia triste???Lili Carabina
(http://www.lili-carabina.blogger.com.br)
(mailto:carabinaridesagain@hotmail.com)


Comentar post

ANO XIV


EDITORIAL
. Posts recentes

Cambelas, 2007

Porto, 2007

Barranco do Velho, 199...

Mais um para a conta

Estação C.F. de Lisboa...

Vila Nova de Milfontes...

Vila Viçosa, 1989

Portugal, 2015

Estação C.F. da Funche...

Azenhas do Mar, 2008

. Arquivos
. Links