Sexta-feira, 23 de Abril de 2004
Um círio que não flameja
Gastos os pneus
Do carro cinzento
Na velha garagem
De porta de chapa esburacada.
Pelos buracos
A luz de cães errantes
Sobre a calçada.
Já mal se distinguem
Os sons do carro de parelha
Com chapa de Ourique.
Apenas o cacarejar de uma galinha choca
Se confronta com o zumbido eléctrico
Da bomba de água.
Cheira a lenha e a sul.
A cal caída sobre as ervas
E a fruta amadurecendo
Ao sol.

SG, inéditos, 2001


por MCV às 13:29
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Diz que Dom Fuas salto...

Lisboa, 2009

Rio Tâmega, 2017

E.N. 232, 2000...

Mora, 2017

Portugal, 2017

Portugal, 2017

Barcarena, 201...

Olho de Boi, 2...

Portugal, 2010

. Arquivos
. Links