Sexta-feira, 26 de Março de 2004
Faladura
Que o povo fale de cor, na rádio e na televisão, tudo bem. Sempre foi assim, agora só é mais visível.
Que certas personagens falem do que não sabem, é normal. Sempre foi assim, agora só são repetidos mais vezes os seus dislates.
Que haja uma espécie de opinião unânime a respeito de um facto, é normal. Nada mais fácil do que criar unanimidades.
Que seja tudo baseado em disparates, em coisas que muitos viram sem ter visto, em coisas que muitos sabem sem saberem, também é normal. É a história que o diz.
Mas ainda há quem não ceda a estas unanimidades emocionais.


por MCV às 12:13
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 26 de Março de 2004 às 22:14
Rui:
É por isso que digo que ainda há.
Não sei se existe de facto essa união (ou unanimidade) dos resistentes, talvez não. E será porventura assim desde sempre. Talvez o traço individualista e rebelde de cada um não facilite as coisas. Mas não me atrevo a dizer muito mais...
Quanto às maiorias, surge-me a ideia de que com a rápida e eficaz máquina de propaganda actual (umas vezes usada com critério, outras usada porque sim), é mais fácil cobrir mais terreno, dilatá-las (já se vê que quando falamos de unanimidades, é de maiorias esmagadoras que falamos...)
Um abraço
Manuel
(http://www.gasolim.blogs.sapo.pt)
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 26 de Março de 2004 às 21:40
A resistência à unanimidade também não será uma ideologia a estrear. E não é por isso que não adorei estas linhas. Poderá haver unanimidade entre os resistentes?Rui
</a>
(mailto:ruiraposoazevedo@hotmail.com)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

E.N. 246-1, 2011

. Arquivos
. Links