Segunda-feira, 8 de Março de 2004
Animaje
Não sou antropólogo, sociólogo ou possuo qualquer qualificação que me permita tecer grandes considerações sobre o actual estado do conhecimento nessas áreas.
Dito isto, refirir-me-ei apenas a uma certa tendência mais ou menos evidente no discurso político e social que podemos ouvir todos os dias.

Não se sabe desde quando, mas o homem assumiu a dada altura a sua diferenciação no mundo animal.
E passou o tempo todo desde essa altura a imaginar-se mais do que um animal.
Lá terá as suas razões.
Mas seria de supor que, com o actual estado da ciência, nomeadamente com o conhecimento das últimas décadas sobre alguns dos mecanismos sensoriais, que nos voltássemos a encarar como animais.
Mas não é isso que no discurso corrente e corriqueiro acontece.
Dir-se-á que a política tem como último objecto o esquecimento desse facto.
É provável que sim.
A minha questão aqui é só uma:
Serão os conhecimentos científicos decisivos para a organização social? Ou ela é demasiado complexa para poder ser compreendida e enquadrada, de forma a aperfeiçoar-se com o conhecimento?
Bem sei que não há sistemas perfeitos. E que os mais cientifizados deram bota.


por MCV às 17:25
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2016

Mourão, 2017

Albufeira de A...

Restos de colecção (82...

Fátima e o resto

Portugal, 2009

Rio Mira, 1988...

Alvor, 1989

São Salvador do Mundo,...

Janas, 2006

. Arquivos
. Links