Sexta-feira, 5 de Março de 2004
Senilidade
Hoje, dia 5 de Março de 2004, sábado, sexta-feira, um preocupante sinal de senilidade tomou conta de mim.
Melhor dizendo, e o que é mais preocupante, não foi hoje. Arrastou-se até hoje.
Deve ter surgido insidioso lá para meio da semana.
E o que fez? Adiantou-me um dia da semana. Não a data, mas o dia da semana.
Creio que já passei a quarta a pensar que era quinta e a quinta decididamente a julgar-me na sexta. Hoje seria sábado.
Como a minha vida independe de horários semanais, apenas me confrontei com dois ou três pormenores estranhos. Um programa de televisão a que às vezes assisto, não foi transmitido. Um programa de rádio que é um vício antigo e sabático, substituído por uma estranha emissão.
Só quando comuniquei que ia sair para comprar o Expresso, é que me contrariaram.
O mais espantoso é que consegui convencer (ou talvez não) quem me contrariou.
Depois, em descargo de consciência, lá cliquei no relógio – sexta-feira!!!
Fui à papelaria onde já mereço algum crédito e esbanjei-o logo:
“Só não lhe peço o Expresso, porque há cerca de dez minutos dei-me conta de que hoje não é sábado!”
A senhora, ao despedir-se de mim, não sei porquê, desejou-me um bom domingo.



por MCV às 16:04
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

E.N. 246-1, 2011

Apúlia, 2017

. Arquivos
. Links