Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007
O legendário faruque

 

Não consigo nem situar exactamente a zona em que faruque é (era) sinónimo de Citroën 2 cv nem dar uma explicação para o facto.
Limito-me a constatar que assim foi, pelo menos durante a década de 60 e talvez parte da de 70.
E foi-o em parte do Alentejo, herdando o nome do quem diz penúltimo diz último Rei do Egipto.
Ouvi algumas associações do monarca ao carro mas nenhuma delas parece ser verdadeira. Um mistério, portanto.
Com esta explicação desloca-se o meridiano que divide o Mundo. E sempre que se desloca um meridiano – por simplicidade de linguagem – os dois novos hemisférios que este separa ficam com área igual à dos hemisférios anteriores e igual entre si. A população que cada um contém é que pode não ser (nunca é) no mesmo número.


Espólio Campos Vilhena - Foto atribuída a FSJ



por MCV às 12:22
endereço

2 comentários:
De Bic Laranja a 27 de Outubro de 2007 às 10:55
Quem move esse meridiano?
Cumpts.


De MCV a 27 de Outubro de 2007 às 11:04
Neste caso, são 2 cavalos. Não os 16 de Magdeburgo, que esses não moveram o meridiano.
Abraço


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Portugal, 2012

Lisboa, 2017

Sintra, 2016

E.N. 263, 2011

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

. Arquivos
. Links