Terça-feira, 31 de Janeiro de 2017
Em Sines e tudo

A Marmorinha era uma gaiata, já avó, que ia para Sines mas que eu encontrei em Portimão (ia de Sines para Porimão) e que ia comprar casa em Quarteira.
Em Sines havia uma subida muito íngreme com vista para o rio (mar) e que ficava ao lado do castelo.
Lá, na máquina de ler forais da tasca da pescada, encarei o corredor / túnel para a baixa.
Não comi a pescada ou as lulas mas rodei a mesa como competia ao cerimonial.

Na outra história havia um elevador em parafuso (para a cabina, ver o carro de golfe de Kadhafi) que dava acesso à sala de preparação de astronautas.
Por lá bebi café e esperei na hora de regressar numa fila.
Depois meti uma cunha e tentei descer pelas sentinas. Sentina a sentina, numa prumada com descentramento para poder ser feita piso a piso. As cerâmicas eram de marca e o elevador mostrou-se avariado.



por MCV às 21:26
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Póvoa de Varzim, ...

Portugal, 2008

Um caso clássi...

Memorandum

Portugal, 2006

Vila Franca de Xira, 2...

Portagem, 2011

Foz Tua, 2016

Portugal, 2017

E.N. 246-1, 2011

. Arquivos
. Links