Terça-feira, 19 de Abril de 2011
Eu, o mouro, e o ataque de Asma
O presidente da Síria era minha companhia frequente no tempo em que eu era presença assídua no Campo Pequeno e em outras arenas do país.
Todos nós no sul temos um amigo mais velho que poderia ser um dos tais imaginários sósias de Saddam Hussein.
Tal como o já aqui referido primeiro-ministro da Palestina (da parte da faixa de Gaza) nos surge na cara de uns quantos companheiros de petisco.
Todos eles confirmam a nossa proximidade genética com os povos do Mediterrâneo e do Médio Oriente.
Isso e muito mais faz-me suspirar por (de?) Asma, pelo seu destino. Nestes tempos conturbados dentro e fora das portas de Damasco. À revelia do tal companheiro de tauromaquias. Ou, a bem dizer, do seu sósia damasceno.


por MCV às 18:42
endereço

ANO XVII


EDITORIAL
. Posts recentes

Um desastre

Lisboa, 2019

Geringonça

7,... x 10 à nona

Era Lunar

Moura, 2017

Com duas baixas no pel...

Escassez

Colares, 2019

Céu de 22000

. Arquivos
. Links