Sábado, 4 de Dezembro de 2004
Restos de colecção
O pessoal das mudanças devia ser obrigado a sigilo profissional.
De entre os muitos profissionais a quem temos de confiar partes da nossa vida, estes são os que mais a escrutinam. Desde o pó por detrás do guarda-fato à colecção de livros, passando pelas marcas que deixamos um pouco por todo o lado.
Não faço ideia dos destaques que farão quando escalpelizarem o dia de trabalho que incluiu o transporte de dois pesadíssimos estrados escada acima e escada abaixo.
Talvez que estas mobílias já não se usam.
À parte a referência expressa ao peso dos caixotes de livros, que um burro carregado de livros já se sabe o que é, tudo o resto foi feito em silêncio. Muito profissional.
E, aqui chegados, eu sabia que tinha esta fotografia.
Está na capa de um livreto editado pela JAE em 1954.
A seta aponta o pilar que caiu em 2001. Que não estava, na estiagem presume-se, no leito do rio.


Foto JAE


por MCV às 00:30
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 7 de Dezembro de 2004 às 22:55
E assim nos apercebemos de como factores vários, barragens a montante e a jusante, dragagens e outros, alteraram em poucas décadas e tão substancialmente o perfil do rio.Manuel
</a>
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 4 de Dezembro de 2004 às 12:06
Obrigada por partilhar a fotografia! É impressionante!Aristarco
</a>
(mailto:....@....)


Comentar post

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

E.N. 365, 2012

São Torcato, 2014

Baleal, 2006

E.N. 266, 2018

Amanhã é Dia d...

24º

Gibalta, 2018

Valejas, 2006

Rio Tejo, 2007

Foz do rio Sado, 2018<...

. Arquivos
. Links