Quinta-feira, 18 de Março de 2004
Verde é o teu encanto
Ela deixou atrás de si um rasto verde que o confundiu.
Da seguinte vez que a viu
Quis levá-la dali para um encanto qualquer.
E docemente tomá-la mulher.
Num cavalo, como ela quereria
Ou num tapete voador como pertence à euforia.

SG, inéditos, 1996


por MCV às 08:00
endereço

1 comentário:
De Anónimo a 18 de Março de 2004 às 09:51
Que linda surpresa!!!

SG por aqui!!!
Coisa linda de se ler numa manhã como essa...
Muito obrigada pelo poema. Mande ao SG minhas palavras de apreço!Lilian
(http://novaral.tripod.com)
(mailto:novaral@hotmail.com)


Comentar post

ANO XVI


EDITORIAL
. Posts recentes

Nevoeiros matinais

15

Desafio

António Costa

Melides, 2013

Sintra, 2005

E.N. 379-1, 2018

Gasolim

Sintra, 2018

Esquecimento

. Arquivos
. Links