Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2004
A Tv das vendas
Às vezes, fazemos coisas de que nos admiramos.
Ontem (hoje, de madrugada) foi o ficar a assistir a um canal onde passavam os habituais anúncios à americana.
Tratava-se de uma pequena câmara digital, com software de edição incluído e uma pequena bolsa de cabedal(?).
Fiquei amarrado às explicações e aos argumentos.
No meio disto tudo, vem-me sempre à memória o argumento lapidar de um dos meus velhos amigos, economista de formação: "Se se anuncia um remédio para os piolhos, é porque vende. E se vende, é porque há quem tenha piolhos!"
Suponho assim que, se existem estes espaços publicitários, é porque vendem.
Embora eu me espante com este tipo de publicidade à americana. E pense que em Portugal não resulta. Mas só posso estar enganado.
Outra coisa que vem de ontem, é um certo painel de fotografias num restaurante.
Painéis de fotografias em restaurantes são coisas comuns. Uns têm mais caras conhecidas do que outros, mas é uma moda que pegou.
Não é um resultado agradável.
É até confrangedor. É o povo na sua expressão de olhar para o passarinho.
Mas depois levanta-se uma questão.
E quando o tempo fizer das suas?
Quando toda aquela quantidade de fotos a fugir para o vermelho se converter em documento histórico?
É certo que há diferenças entre as fotos de um olhar e de outro.
Há fotos com mais interesse do que outras.
Eu que tenho muitas dúvidas quanto ao que é arte e o que não é, às vezes fico a olhar para certas fotos de mão não profissional e vejo uma qualidade impressionante.
Não foi o caso naquele painel.
Mas é o caso, entre outros, de uma foto que possuo que retrata a praia da Zambujeira em 1932. Todo o povoado coube na película.
Ou de uma outra de um camião nas margens do Guadiana no final dos anos 50.
Ou aquela da L'Étoile nos alvores de 50, com os vestígios da guerra ainda visíveis.
E fico-me a pensar.
Nos dias de hoje, com tanta máquina de filmar e fotografar sempre presente, que legado deixaremos aos vindouros?
Será tudo mau? Ou o tempo encarregar-se-á de lhe dar alguma beleza?


por MCV às 00:20
endereço

2 comentários:
De Anónimo a 27 de Fevereiro de 2004 às 11:06
Pois é, amigo. Já devemos estar gravados em pedra nessa altura. Um abraço.
Manuel
(http://gasolim.blogs.sapo.pt/)
(mailto:gasolim@hotmail.com)


De Anónimo a 26 de Fevereiro de 2004 às 07:26
Claro que sim! (à última pergunta)
Mas para outros que não nós... (digo eu)

Abraço

scumoftheearth

scumoftheearth
(http://www.descalabro.blogspot.com)
(mailto:balelas76@hotmail.com)


Comentar post

ANO XVI


EDITORIAL
. Posts recentes

Nevoeiros matinais

15

Desafio

António Costa

Melides, 2013

Sintra, 2005

E.N. 379-1, 2018

Gasolim

Sintra, 2018

Esquecimento

. Arquivos
. Links