Domingo, 22 de Fevereiro de 2004
A casa dos meus sonhos
Não, não é uma casa apalaçada.
Nem um mimo daqueles construído à imagem de não se sabe o quê.
Nem um monte no Alentejo, por razões óbvias.
É outra coisa.
É uma certa casa que me aparece nos sonhos e da qual já conheço os mais ínfimos pormenores.
A garagem em rampa, ao nível do 2º piso. A escada em caracol das traseiras que dá acesso àquela porta de que ninguém se serviu durante anos, está tapada pelas heras e afinal é tão bonita.
O desvão do telhado compartimentado a meia altura.
A oficina-laboratório de janelas sombreadas a betão.
Tudo isso muito insistente e consistente.
Às vezes, chego a pensar que se trata da topologia distorcida habitual. A casa não é outra senão a que tão bem conheço.
Mas toda a envolvente o nega. A ribeira, as ruas em socalco, o pequeno hotel que funciona nas traseiras, tudo isso é ficção. Tal como a casa.


por MCV às 22:53
endereço

ANO XVI


EDITORIAL
. Posts recentes

Nevoeiros matinais

15

Desafio

António Costa

Melides, 2013

Sintra, 2005

E.N. 379-1, 2018

Gasolim

Sintra, 2018

Esquecimento

. Arquivos
. Links