Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2006
A cara de cavalo
Vai para uns bons tempos que aqui discorri sobre a minha qualidade de anspeçada.
De membro da primeira geração apeada em muitas.

Hoje, por mero acaso, ao atentar nas feições de certa mulher plasmadas no écran da televisão, dei-me finalmente conta, de forma consciente, de que sou um apreciador inveterado de fêmeas humanas com cara de cavalo.
Nunca soube o que quer que fosse sobre os mistérios da facies faunomórfica. Mas é claro que, como muitos outros, identifiquei caras de pássaro, de peixe, de rã, de cão, de rato e até de animais mais remotos. Só nunca me apercebi, até hoje, da minha queda para as cavalos.

Será isto uma espécie de atavismo, cerceada de montada?
No lo creo.


por MCV às 15:56
endereço

ANO XV


EDITORIAL
. Posts recentes

Valejas, 2006

Rio Tejo, 2007

Foz do rio Sado, 2018<...

Cabo da Roca, 2018

Espanha, 2010

Memória centenári...

Portugal, s.d.

Estação C.F. de Vila F...

Calvário Húngaro, 2013...

Coberto vegeta...

. Arquivos
. Links