Segunda-feira, 5 de Maio de 2008
As doze badaladas do relógio

Há algum tempo percebi que os objectos têm o seu lugar.
E que isso não é objectivo, é antes subjectivo.
Este relógio, cujas badaladas podereis ouvir aqui (clicando em baixo), esteve sempre ligado a uma parede de quatro que faziam a sua caixa de ressonância.
Objectivamente, milhões de outros relógios em milhões de outras paredes parecerão a elas pertencer.
Subjectivamente, hoje foi a primeira vez que o ouvi tiquetaquear, badalar em outro poiso.
Antes não o tivesse feito.



por MCV às 23:59
endereço

ANO XVII


EDITORIAL
. Posts recentes

Lisboa, 2019

Geringonça

7,... x 10 à nona

Era Lunar

Moura, 2017

Com duas baixas no pel...

Escassez

Colares, 2019

Céu de 22000

Na baixa do mais antig...

. Arquivos
. Links