Sexta-feira, 13 de Outubro de 2017
Fátima e o resto

Hoje decerto repliquei o meu lado materno ao prestar atenção às comemorações de Fátima. Afinal eram cem anos após a dança do sol. Estranhei apenas, na minha imensa ignorância teológica, que o Bispo de Leiria-Fátima haja sancionado a resignação como uma não virtude cristã.

No caso do relatório sobre os incêndios de Pedrógão Grande e Góis, registei bem a passagem da página 7 que se aplica a um sem-número de incompetências que o nosso país se obstina em promover: “Pode até evocar-se, no caso português, o desprezo que se tem atribuído, com frequência, ao conhecimento acumulado, muitas vezes com o pretexto de adoção de novidades aparentemente ofuscantes, mas que escondem equívocos e desajustes pessoais.”.
Na mouche.

Estou, parece, a sair de um nojo de palavras.



por MCV às 14:07
endereço

ANO XVI


EDITORIAL
. Posts recentes

L.

Lisboa, 11 do ...

Lousada, 2018

Nevoeiros matinais

15

Desafio

António Costa

Melides, 2013

Sintra, 2005

E.N. 379-1, 2018

. Arquivos
. Links