Sexta-feira, 1 de Maio de 2020
Método II

Complementando a informação do post abaixo, registe-se o seguinte:
Entre 26 e 27 de Março, a informação disponibilizada pela DGS sobre os casos de COVID-19, que havia começado a 24 e era concelhia passou a ser nas Regiões Autónomas, por ilha. Foi um fósforo que logo se extinguiu. A ausência de método já se notava.
Tem o país quatro concelhos que, dois a dois, são homónimos – Calheta, na ilha da Madeira; Calheta, na ilha de São Jorge; Lagoa, no Algarve ou distrito de Faro e Lagoa, na ilha de São Miguel.
Pois bem, entre 28 de Março e 26 de Abril, ora com a designação Calheta (Açores) ora só com a designação Calheta, o número de infectados oscilou entre 4 e 6. Presumiu-se que todos os dados se referiam à Calheta de São Jorge, uma vez que o primeiro registo, de 28 de Março, se referia a Calheta (Açores).
A 27 e 28 de Abril, deixou de haver infectados na Calheta de São Jorge e passaram a estar 3 pessoas infectadas na Calheta da Madeira.
A 29 de Abril, havia 3 infectados na Calheta da Madeira e 6 na Calheta de São Jorge.
A 30 de Abril, havia apenas 6 infectados numa Calheta, sem que se soubesse qual delas.
Não se deve isto na certa à mobilidade de casos, de concelho para concelho, conforme foi referido pelo Subdirector-Geral da Saúde. Deve-se seguramente a anomalia de método. Ou à falta dele.
Não se entende, já o disse, que não haja uma designação única e inequívoca para cada concelho do país. E que se ande a mudar um campo fixo de uma matriz, de dia para dia.
Decerto que isto é mais do que secundário numa altura em que se trava um combate contra uma doença. O que é preocupante é que reflicta qualquer coisa da atitude geral.



por MCV às 00:58
endereço

ANO XVII
EDITORIAL
. Posts recentes

Prendas

Gasolim, quase 9 anos de ...

Cabo Espichel, 2018

Mem Martins, 2008

Setúbal, 2006

Cachopo, 2014

Quem sabe?

Estação C.F. do Oriente, ...

Mundo ocidental e o re...

Método II

. Arquivos
. Links