Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022
Santa Bárbara

Não é novo que Santa Bárbara só seja invocada quando troveja.
O que é novo é que as trovoadas sejam mostradas com grande alarido e que se invoque não só a dita santa como todos os outros ocupantes dos altares.
E que a gritaria seja tanta que nenhuma voz, por mais bem colocada que seja, se faça ouvir.
Com a massificação, multiplicou-se e amplificou-se o erro. Com ela, o erro ganhou até estatuto de acerto.
Não é preciso correr muito para dar de caras com discussões acesas em que cada parte cultiva e afaga o seu disparate.
Em que nem um só dos argumentos faz sentido.
Em que tudo é assustadoramente primário, ainda que os galões que se dizem puxados denotem patente.
Ficam Santa Bárbara e uma legião de outros santos a pairar sobre o deserto sem perceberem onde e quando são precisos.



por MCV às 19:40
endereço

ANO XIX
EDITORIAL
. Posts recentes

O crepúsculo do Sr. Quité...

Crentes

Figueira da Foz, 2013

Alvenaria, alvenaria!

Mais uma descoberta da pó...

Setúbal, 2018

Os quilómetros que passar...

Fora do tempo

Estação C.F. de Carregado...

Lisboa, 2007

. Arquivos
. Links